-->

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Black Mirror: 1ª e 2ª temporada

Hellow Boys and Girls!! Gente, ultimamente eu tenho aproveitado a Netflix nível hard, ela poderia me contratar só para assistir filmes e séries #ficaadica haha. E nessa onda de ficar olhando catálogo, voltei a assistir a uma série que comecei há um tempo atrás e sem razão nenhuma parei. Eu estou falando de Black Mirror, e vou dividir esse assunto em dois posts para explicar direitinho a vocês do que se trata a série.

Black Mirror é uma série antológica britânica de ficção cientifica que explora o futuro dominado pela tecnologia, gerando conflitos entre a humanidade e os avanços tecnológicos. Com muito suspense, cada episódio possui um tema diferente relacionado a tecnologia, completamente independentes entre si. Parecem mini filmes de 45 min. A série criada por Charlie Brooker teve sua estreia em 2011 pelo Channel 4 e foi comprada pela Netflix em 2015. Atualmente está em sua 4ª temporada.

1ª temporada
Episódio 1 – The National Anthem
Após a princesa Susannah ser raptada, o primeiro-ministro Michael Callow precisa tomar uma difícil decisão para salvar a princesa desse sociopata. É dado um prazo a Michael, e a exigência é que ele pratique certo ato nojento em rede nacional, com toda a Inglaterra assistindo, ou então matará a princesa.

Este é um episódio um tanto chocante para uma estreia. Não vi razão óbvia para a exigência feita, além de pura humilhação. Mostra também um lado obscuro da humanidade, que se diverte com coisas nojentas e humilhantes.

Episódio 2 – Fifteen Million Merits
Aqui a sociedade é dividida em duas: os riquíssimos e aqueles que desejam ser riquíssimos. A segunda categoria precisa correr muito para conseguir pouco, e vivem em uma caixa, quase escravizados, com um único objetivo: correr. Nesta história conhecemos uma mulher que tem um sonho de ser uma grande cantora, ela ganha um bilhete para participar de uma audição, porém é humilhada no palco, e deve escolher entre viver uma vida promiscua ou ser novamente escravizada.

Episódio 3 – The Entire History of You
No futuro todos tem acesso a um implante de memória na cabeça capaz de gravar tudo o que se faz, vê ou ouve. Através do implante é possível assistir novamente a memórias gravadas, deletar e até mesmo assistir na TV com outras pessoas. Neste episódio conhecemos um homem que descobre a traição de sua esposa e fica obcecado revendo suas memórias e as dela.

2ª temporada
Episódio 1 – Be Right Back
Martha perde seu marido em um acidente de carro, e passa a manter contato com ele através de um novo serviço que simula a pessoa morta através de informações pessoais, vídeos, fotos, áudios e acesso a contas da pessoa falecida, o serviço consegue simular como a pessoa responderia a conversas e como reagiria a certas situações. Mas tudo dentro dos limites das informações que lhe forem passadas.

Dividida entre a razão de que a voz com quem ela conversa não é realmente seu marido, e a saudade e o conforto que o serviço lhe traz, Matha leva o serviço ao nível máximo. Martha fica emocionalmente abalada e interage com a versão inumana de seu marido durante anos, sem ninguém saber. Este foi para mim um dos episódios mais bizarros pelo aspecto emocional.

Episódio 2 – White Bear
Victoria acorda em uma casa que ela não reconhece e não se lembra de nada sobre sua vida. Todos se recusam a falar com ela, e ela passa a ser caçada pela cidade, sem saber porquê. O episódio começa de uma maneira e no fim entendemos de uma maneira completamente diferente. Mostra a alienação e crueldade humana.

Episódio 3 – The Waldo Moment
Este é um episódio político. Nele conhecemos Jamie, um comediante fracassado que dubla um urso animado que faz uso de piadas ruins e muitos palavrões. O comediante então se envolve uma trama política quando Waldo, o urso, se candidata a um cargo político, sem ideais e sem objetivos. Quando Jamie percebe o mal que está fazendo através do personagem tenta acabar com a farsa, mas é impedido e sua vida acaba saindo dos trilhos. Jamie tem um destino cruel enquanto Waldo ascende.

Episódio Especial – White Christmas
Mais uma vez nada é o que parece ser. Aqui dois homens em uma cabana gélida contam 3 histórias sobre descontroles tecnológicos. Cada história tem um triste fim, e levam ambos os homens a um destino inimaginável.

E aí já conhecia a série? Assistiu? Me conta aí o que achou! Beeijoo e até o próximo post!!


Ao longo da semana passada fiz pequenas alterações no layout do blog, cabeçalho, fundo, alguns gadgets. Amei o resultado! E você? Notou a diferença? Achou o que?

sábado, 6 de janeiro de 2018

Sobre o que assisti #1

Hellow fofinhos do meu coração!!! Como está sendo esse comecinho de 2018 de para vocês? Já começaram a cumprir as promessas que fizeram dia 31? Eu vou tentar cumprir as de 2017, depois penso nas de 2018 haha.

O ano começou e a correria também. Só tive dois dias de folga para relaxar um pouquinho e aqui estou eu novamente, a todo vapor. O que eu fiz nesses dois dias? Uma tentativa fracassada de retomar uma leitura e muitos episódios seguidos de Van Helsing (assunto para outro post) e filmes!! Quem aí ama a Netflix? \o/ Vamos conversar sobre eles?

#1 Fica Comigo
Título Original: You Get Me
Elenco: Taylor John Smith, Halston Sage, Bella ThorneGênero: Suspense
Ano: 2017
Duração: 1h 29 min
Nacionalidade: EUA
Sinopse: A bela e jovem Holly (Bella Thorne) está completamente obcecada: depois de uma transa intensa com Tyler (Taylor John Smith), ela decide iniciar uma jornada árdua para conseguir ficar com ele a qualquer custo. O primeiro passo foi se matricular na mesma escola dele, para ficar atenta a todos os seus passos. O que deveria ser apenas mais uma paixão adolescente começará a passar de todos os limites.
Sabe quando você está lá distraída olhando o catálogo e se depara com um título fofinho? Foi o que aconteceu comigo e Fica Comigo. Mas o filme, bem como diz a sinopse, não é nada fofinho. Após uma discussão com a namorada Tyler conhece Holly, uma garota linda e rica que esconde problemas psicológicos graves, os dois vivem algumas horas divertidas e de muito prazer. Se Tyler imaginava que tudo voltaria ao normal no dia seguinte e depois desse verão nunca mais veria Holly, ele estava muito enganado.

Na volta as aulas a garota vai estudar no mesmo colégio que ele e sua namorada, tornando-se amiga dela, e é aí que o pesadelo começa. Holly começa a perseguir o Tyler e se torna um tanto quanto perigosa, ela quer que eles fiquem juntos a qualquer preço e vê a namorada, Alli, como um obstáculo.

Eu gostei bastante do filme, ele tem um enredo legal e realmente prende nossa atenção. A Holly é realmente uma psicopata, ela criou uma história em sua cabeça da qual nada e nem ninguém consegue convencê-la de que aquilo não é real. Alli é a típica mocinha, fofinha, amiga e que não vê maldade em ninguém, ingênua apesar de também ter um passado meio duvidoso (contraditório, eu sei). O filme conta bem a história, mas tem algumas lacunas. Achei que faltou explicar o motivo dos problemas psicológicos da garota, só sabemos que ela não segue o devido tratamento, mas não sabemos as reais origens de tudo.

A trama gira em torno desses três personagens, e os demais são pouco participativos. Achei que a amiga da Alli teria um papel um pouco mais importante quando começa a desconfiar do comportamento da nova aluna, mas não foi o que aconteceu.

Recomendo. A produção é original Netflix e já podemos ver que a atriz Bella Thorne vai ser fugurinha carimbada nas produções originais. Ela também participa de Babá e Duff, originais Netflix.

#2 Nunca diga seu nome
Título Original: The Bye Bye Man
Direção: Stacy TitleElenco: Douglas Smith, Lucien Laviscount, Doug JonesGêneros: Terror, Suspense
Ano: 2017
Duração: 1h 37min
Nacionalidade: EUA
Sinopse: Três estudantes universitários decidem sair para acampar no tranquilo estado do Wisconsin, nos Estados Unidos. Mas os planos de terem alguns dias e diversão e descanso são interrompidos quando suas vidas se cruzam com o temido "The Bye Bye Man", uma criatura mística e sobrenatural que acaba perseguindo-os. Agora eles vão ter que lutar para sobreviver, contra este que é a raiz de todos os atos maus do homem.
O filme propõe contar a história do The Bye Bye Man, eu digo propõe porque ele não conta, pelo menos não do jeito que eu gostaria, afinal gosto de saber o pouco sobre a origem das coisas, e não gostei como o personagem simplesmente surgiu na história.

Bye bye man é mostro/espirito/não sei o que, que aparece para aterrorizar qualquer um que fale ou pense em seu nome, ao pensar ou dizer é como se os estivesse chamando, assim ele domina a mente dessas pessoas para que pratiquem atos terríveis, especialmente matar. Ele é prenunciado por seu cão infernal (inútil, diga-se de passagem) e uma moeda. Elliot, sua namorada e seu melhor amigo se mudam para uma casa em Wisconsin, e coisas estranhas começam a acontecer após Elliot encontrar uma moeda e um antigo móvel escrito “Não pense, não diga” várias e várias vezes, escondido havia o nome, The Bye bye Man.

O filme no geral é bom, mas não o suficiente. Tem suspense, terror, sangue e uma cronologia legal. O filme faz sentido, mas senti falta de explicar a história do Bye Bye Man, como ele surgiu, porque ele faz o que ele faz, e porque ele aparece quando pensam ou falam o seu nome. Ele deixa uma brecha para uma possível sequência, o que seria ótimo se explicasse essas coisas nela e explorasse mais o vilão, se não, é completamente dispensável.

O filme é baseado em um livro, fontes diferentes citam livros diferentes (vai saber!?). De acordo o enredo, tinha tudo para dar certo, mas foi falho em diversos pontos, não conseguimos criar apego nem mesmo pelos personagens principais, e suas mortes se tornam desinteressantes.

Eu gostei, prendeu minha atenção, mas terminei o filme um tanto decepcionada pelas perguntas não respondidas.


Por hoje é só! Beijinho, beijinho e tenham um 2018 cheio de luz!!!

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Esses 2 meses...

Oi pessoas lindas!!! Como estão? Como foram de Natal? 2017 já tá acabando e eu nem acredito que passou tão rápido. Desculpa o desaparecimento, aconteceram muitas coisas nos últimos dois meses que me impediram de fazer várias coisas, inclusive, atualizar por aqui. Vou contar as coisas boas que aconteceram e também as não tão boas.

Vou começar pelas coisas complicadas que são as principais justificativas. Tudo começou com o queridinho do meu notebook, um belo dia conectei o carregador dele na tomada e ele do nada queimou, com direito a faísca e fumaça e tudo mais. Encomendei um novo pela internet, o que me levou a ficar duas semanas sem computador. Até aí tudo lindo, o carregador chegou em perfeito estado e logo tudo se normalizou. Até que menos de um mês depois o pior acontece, o notebook simplesmente não liga, por nada no mundo. Levei na assistência e o diagnóstico foi defeito na placa. Resultado: um carregador novinho e um notebook morto. Meu desespero não poderia ser maior, devido à idade do note não vale a pena substituir a placa, então terei que comprar outro. Olha só o prejuízo.

Agora já estou mais conformada, sei que não há nada mais que eu possa fazer. Esperar um pouco e conseguir comprar um novo. Por enquanto estou usando um emprestado.

Nesse meio tempo também vieram notícias boas. Primeiramente consegui meu estágio! Eu queria tanto isso, e precisava muito, pois sem isso não tem formatura. Meu tempo está bem reduzido agora, dividido entre as atividades do estágio, a faculdade e o tenebroso TCC (trabalho de conclusão de curso), o qual está me dando muita dor de cabeça. Mas eu estou bem feliz e na expectativa de me formar!

Falando em formatura... Mês passado tirei as fotos para o convite. Foi um dia muito cansativo, mas gostei bastante do resultado. As fotos de “estúdio” foram tiradas na própria faculdade e as externas foram tiradas em um lugar muito bonito, em frente a uma igreja antiga. O ensaio terminou já com o pôr do sol, o que fez com que algumas fotos ficassem ainda mais bonitas.
Minha best foi comigo e ficou o tempo todo ao meu lado. Sorte de ter amigos assim. Só irei receber as fotos tratadas pela empresa depois da formatura, junto com as fotos do dia da colação. Mas é claro, que tirei várias fotos no celular.

E nesse clima de renovação para 2018, escureci os cabelos. Meu cabelo sempre foi castanho claro, e eu nunca mudei. Dessa vez criei coragem e me joguei no pretão. Agora só falta deixar crescer.

Aproveito agora, para desejar a todos vocês um Feliz Ano Novo, repleto de paz, amor, saúde e prosperidade. Que 2018 seja um ano de realização de sonhos e novas conquistas. Que cada um de vocês consigam completar seus planos e fazer de 2018 um ano bem melhor do que foi 2017.

Um grande beijo e até breve!